Poetas 3 x 4

Magaly Grespan
Três Lagoas - MS



Sons de Violão

Agora,
Vendo o verde,
Ouvindo acordes de um violão,
Bem distante,
Por entre as campinas,
Enxergo a memória dos pássaros.
Esqueço a vida da cidade.
A anatomia do teu corpo.
E o mundo desaparece coalhado
Na esperança da última luz acesa.
E sai o verbo do coração,
Palavra torta feito redenção.
 



Farta de Ver


Desço sobre as montanhas
E nas ondas ouço os estrondos dos chicotes
Cortando as águas do mar
Farta de ver
As nuvens varrendo o céu levando ao longe o amor
E a felicidade feito pluma sobre as alturas
E desliza a alma plainando sobre o céu uma lágrima
Farta de saber
Que no mundo a vida foge
Na felicidade de outro mundo
Acolhe-me senhor
E de bom grado
Minha felicidade há de cochilar sozinha.
 



Meu Inteiro

Não dominaria meu pensamento teimoso
Na fração em que reparto meu inteiro
E sutilmente receio não ser essa
Mas a outra alma que tenho
Sem virtudes, povoada de inconfessáveis verdades
E no olhar confuso vejo uma criança estraga –prazeres
E eloqüente são os artifícios
De sempre fazer barulho
Quando tudo em mim é silê
ncio.


 



Magaly Grespan e pedagoga, pós graduada em Educação Especial.
É poeta e trabalha com Artes na sua área de atuação, a educação.
Vive na cidade de Três Lagoas, em Mato Grosso do Sul.
Tem trabalhos publicados em vários sites da Internet.
"Sou uma pessoa extremamente romântica e feliz,
vejo no poema uma companhia que me traz muitas alegrias,
nele posso pousar meu olhar, viver, afora o mundo, nele sonho,
tudo que já tive e o que ainda não tenho, acho que o poeta é isso,
um misto de alegrias e tristezas, alçando vôos através da imaginação e da palavra."


Se você gostou indique o endereço: www.almadepoeta.com/poetas3x4.htm

Voltar para Poetas 3 x 4



home    galeria de arte    poetas em destaque    poetas 3x4    poetas imortais    colunistas    cinema    teatro    concursos

páginas pessoais     agenda poética     ebook      entrevistas      histórico

Clique e entre




www.almadepoeta.com

Alma de Poeta
 
© Copyright 2000 / 2007 by Luiz Fernando Prôa