Luiz Fernando Prôa

(...) que importa o destino?        o real        é o que amo        e compartilho        no caminho


Brasília



Momento Mágico


agora é tanto
que tudo é pouco
para dizer o quanto
 



Bienal Rio 2007



Preferência

gosto de dar cara a tapa

expor o peito

não ter medo de fogueira


o que me faz a cabeça

é isso que na veia pulsa

a surpresa de quem vai à luta

e degusta a vida


não tenho medo de ridículo

pagar mico é risco

de quem busca o prazer
 


gosto mesmo é do imprevisto

da alma do momento vivo

viver é o ápice do vício

única droga que insisto

 



Na gravação do vídeo Trem da Poesia - Corcovado - Rio de Janeiro


 

Convergência
 

não somos o centro do universo

nem partículas perdidas ao vento

somos um ponto ao centro, um verso

num poema quântico escrito no tempo

 

somos o que somos, átomos densos

no quantum de cada íntimo elemento

somos o mínimo repleto de infinito

um universo dentro de nós mesmos

 



Parque das Ruínas - Rio de Janeiro



De braços abertos

esse par de braços
que estendo
abraça o mundo
enquanto é tempo
sei que cada momento
é tudo o que tenho
e o agora tudo que existe

de braços abertos
me entrego
e abraço os amigos
enquanto os vejo
no recanto seguro
do que amo e sinto
a alma, espaço sem limites

mesmo quando estou triste
e o pranto é tanto
e a dor é toda
não sei como nem quanto
guardo nos braços um abrigo
me curo, me dando

esse é meu gesto
exponho o peito sem medo
sem dúvida, inteiro
e a quem queira
me entrego
 



Academia Brasileira de Letras - Rio de Janeiro




Noturno
 

venha com o sabor da noite

chegue e esqueça a hora

sou teu pela madrugada

até o último beijo da aurora

 


que cena       :        teu olhar        é um poema



Brasília - DF




Guarida

em teus braços

tudo ganha

mais espaço

 



São Paulo - SP



Submerso

 
tem dias

que a tristeza

tem o peso

do universo


sinto-me

náufrago

preso

às correntes

que me cercam

 
queria o ar

como bálsamo

a meu peito

submerso

 
queria apenas

amar cada dia

dos dias

que me restam
 



Salvador - BA



Ideal


 tem gente

que é tão doce

que se mais fosse


era poesia
 



Congresso Brasileiro de Poesia 2007 - Bento Gonçalves - RS


vejo luzes a meu redor             cada um vê            o que acha melhor



Paciência


diz agora

a palavra que cala

essa ânsia da alma

infinitos segundos

minutos

e horas

 

diz pra mim

uma prece sem pressa

que acalme a espera

desse início

sem meio

nem fim

 

fala tudo

sem meias verdades

sem metáforas/imagens

sobre caminhos

atalhos

e rumos

 

sussurra ao vento

como aplacar a ferida

nessa urgência de vida

enquanto o instante

é apenas

um grito
 



Gravando clip/poema na Ilha Grande/RJ 2009



Sagração


todo dia

quando o sol nasce

nasce também

dentro de mim

como milagre

me descubro vivo

toco a luz

assumo os sentidos


todo dia

morro e sobrevivo

me apego ao que sou

desapego dormindo

 

como arte

vivo por um fio

cada minuto

o ápice de tudo

todo dia

quando o sol nasce

é assim

agradeço

e peço bis
 


nossa mistura      é o que nos cura      e nos torna belos          a paixão      é nosso poema      mais sincero



Nova Friburgo - RJ



Inconfessável

têm coisas que soam em silêncio

que voam ao vento

que só nós sabemos

 

têm horas que a vida é senhora

nos pede o agora

sem arrependimento

 

cada um é refém do momento

ator de um roteiro

sem culpa ou querendo

 

só resta em certas horas

guardar segredo

até de nós mesmos
 



Gravando o clipe Poemas Curtos de Amigos, em Trindade - RJ



Mãos ao alto


como desligar o automático

quando no lábio o sorriso

é plástico

 

e cada palavra, mesmo sensata

não guarda emoção

é volátil

 

como voar sem ter asas

- essas que nascem dos sonhos -

quando o chão

é fato

 

e toda certeza é não tê-la

toda beleza é feia

 e tudo parece

tão chato

 

não dá para desligar a tristeza

quando ela entra na veia

e nos toma

de assalto
 


não há certezas        naquilo que é apenas        luz de estrelas


 
Fliporto 2008 - Recife - PE



Foto


passo a passo

capto as cores

do dia

melodia composta

de imagens, cheiros

e sons

 

a brisa sopra

a lagoa

me toca

e bebo

toda a alma

do momento

 

não sou

mais alguém

que passa

sou paisagem

de um click

do tempo
 



Serra Gaúcha - RS



Coreografia

deixar fluir

o movimento

nossa dança

ao som

do universo


entregar-se

ao momento

essa chama

atração

do incerto

 

ousar tocar

o firmamento

é o que clama

a canção

deste verso
 


espalho poesia      pelos quatro cantos       não ganho dinheiro       mas quantos encontros



FLIP 2008 - Parati - RJ



Proximidade

Ah!
se eu pudesse dar um grito
dizer o que me pede a alma
na calma doce de um suspiro
neste momento, aqui e agora

saltar por cima do abismo
e vivo, ouvir o eco da fala
tua voz cálida a meu ouvido
saber-te por perto, já basta

Ah!
 


quanto cosmos             num quantum           quando me encanto



Fórum Social Mundial 2008 - RJ


 

Persistência

chuto a gol sempre

nem sempre a bola entra


às vezes acerto a trave

outras destruo vidraças


o que salva é que insisto

esse é meu gol de placa

 



Durante gravação do vídeo/poema De Braços Abertos



Declaração
(a meus amigos)

gosto
quando quem gosto
me procura

isso me tira
a clausura
liberta meus olhos

 

gosto
de quem fala
com ternura

isso sara
fraturas
aquece meu cosmos

 

gosto
do que é
eterno

amizade
é o verso
onde transbordo

 


quando o poeta chora                o poema borra               a palavra engasga                a poesia perde                               quando o poeta morre                     o poema implode               a palavra desaba              a poesia             vira prece



FLIP 2008 - Parati - RJ


O que vale


sou esse que tu vês
com marcas do tempo
completa nudez

 me entreguei ao sol
às emoções
à loucura

cada dia
repleto
de rua

toda noite
completamente
lua

sou este que te fala
a cada segundo
mais marcas

entregue a tudo
que ainda valha

um sorriso
um amor

uma lá
grima
 


as lágrimas rolam                 assim com as horas                   indiferentes ao momento                      hoje         amanhã          depois                   a dor não escolhe tempo                    chega ao sabor do vento                    e se vai num piscar de sol



Fórum Social Mundial 2008 - RJ



Realidade

mergulhar no mundo

ver-se ali
envolto nele
e bebê-lo

arriscar-se

para quem ama
e sonha
não há medo

ir além

renascer

 cada dia
aventura

 ser feliz
é a meta

todo resto
loucura
 


um olhar cínico                   descarta a verdade                      como a lâmina fina                    recorta a pele                                o que dói mais?                    a ferida que arde                    ou a infâmia que fere?



Em escola municipal de Bento Gonçalves/RS - 2007


 

Morada

volta logo

para casa

meu colo

te aguarda

sem pedir

nada

 

volta plena

sem a pressa

da estrada

mas trás

a brisa

na mala

 

volta assim

bem leve

brasa

te espero

em pele

e alma

 



Prisão de segurança máxima para político safado!

Descarrego

violência
corrupção
baixo astral

poesia
como antídoto
contra o mal

 


as coisas que vêm       são as coisas que vão       o mundo é reflexo       do que sai do coração



Assista os vídeos onde falo poemas do livro De Braços Abertos.













Falando Poemas de Amigos
 




 


Para assistir os vídeos clique na seta para a direita (play) no centro.
Se a sua velocidade de internet for lenta e a reprodução ficar travando,
clique em pause, espere carregar, e aí sim clique em play.





Luiz Fernando Prôa

É
carioca, bacharel em Ciências Contábeis,
fotógrafo, vídeo-maker, terapeuta holístico, poeta e escritor.
Está presente em várias antologias, jornais e sites de cultura.
Participou com destaque em diversos concursos literários.
Escreveu para três revistas de circulação nacional.
Produtor e editor do site de cultura
Alma de Poeta
www.almadepoeta.com (desde 2000).
Diretor do Sindicato dos Escritores do RJ (2001/2004).
Tem dois livros de poesia editados: Alma de Poeta (1999),
Retratos da Alma
(2001) e
outros três prontos para edição:
Visões da Nova Era
(crônica), Maria Helena, Aprendiz do Amor (romance)
e De Braços Abertos (poesia).
 


Se você gostou indique o endereço: www.almadepoeta.com/luizfproa.htm
Ou escreva para o e-mail do autor: luizproa@uol.com.br



Clique aqui para voltar para home page de Luiz Prôa


home    galeria de arte    poetas em destaque    poetas 3x4    poetas imortais    colunistas    cinema    concursos

páginas pessoais     agenda poética     poetas no You Tube      fala poesia      entrevistas      histórico

Clique e entre


Seu site de poesia, arte e algo mais...


©Copyright 2000/2009 by Luiz Fernando Prôa